spot_imgspot_img

LEIA MAIS NOTÍCIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

spot_img

Cinco ministros do STF votam pelo afastamento do governador do DF e por prisão de ex-ministro do Bolsonaro

spot_imgspot_img

Mais lidas

Alexandre de Moraes, Gilmar Mendes, Edson Fachin, Cármem Lúcia e Dias Toffoli votaram pela manutenção do afastamento do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), e da prisão do ex-ministro de Justiça e Segurança Pública e ex-secretário de Segurança Pública do DF Anderson Torres. As medidas, que já foram adotadas, são decorrentes dos atos de terrorismo nas sedes dos Três Poderes no último domingo (8).

O caso está sendo julgado em plenário virtual pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e ainda faltam seis votos. Os demais ministros têm até as 23h59 desta quarta-feira (11) para votar.

Vale lembrar que Alexandre de Moraes afastou Ibaneis Rocha do cargo na madrugada de segunda-feira (9), horas depois dos atos de terrorismo contra o Congresso Nacional, o Palácio do Planalto e a sede do STF.

Já a prisão de Anderson Torres, foi decretada pelo mesmo ministro na tarde de segunda (10). Moraes atendeu a pedido da Advocacia-Geral da União (AGU). Para o magistrado, há “aparente conivência do ex-secretário com os atos golpistas, uma vez que não teria tomado qualquer providência para proteger os prédios públicos, mesmo tendo conhecimento sobre o planejamento das ações criminosas”.

Vale lembrar que Anderson Torres está curtindo férias nos Estados Unidos, tendo viajado dois dias antes dos atos. Após ter a prisão decretada, Torres informou que voltaria ao Brasil para responder ao processo judicial. Ele deve ser preso assim que chegar em solo brasileiro, ainda no aeroporto, conforme informou a Polícia Federal.

Na mesma decisão, o ministro impôs uma série de outras medidas, como o desmonte de acampamentos golpistas que pediam intervenção militar em frente a unidades das Forças Armadas de diferentes cidades do país, bem como a prisão em flagrante dos militantes bolsonaristas que não se retirassem desses locais. Tais medidas também foram referendadas pelos ministros que votaram até o momento.

spot_imgspot_img
spot_imgspot_img

Últimas noticias