spot_imgspot_img

LEIA MAIS NOTÍCIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

spot_img
spot_imgspot_img

Acúmulo de lixo e entulhos proporcionam o aumento dos escorpiões

Mais lidas

Segundo informações do Governo do Estado de São Paulo, em 2022, ocorreu um amento de 22% no número de acidentes domésticos envolvendo escorpiões, um total de 42.100 casos. Dessa forma, a atenção deve ser redobrada para evitar o imprevisto, já que o clima quente e úmido, que é muito comum no verão, constrói o ambiente perfeito para o aparecimento de um dos animais mais venenosos que existe.

Durante o verão, os escorpiões saem em busca de um lugar seco para se abrigarem em quintais e casas que possuem entulhos, passagens elétricas e rachaduras de pisos e paredes.

Para evitar que problemas como esses ocorram, é necessário realizar medidas de prevenção simples. O primeiro passo é manter limpo os quintais e jardins, evitar o acúmulo de folhagem seca e de lixo. “Para realizar a limpeza de forma correta, é importante que todo lixo recolhido de manutenções e limpezas desses lugares seja corretamente.

Por isso, é essencial o uso de utensílios corretos, como latas de lixos com tampas com sacos para lixo reforçados e que ofereçam maior facilidade no fechamento, como o Embalixo com Alças”, alerta Rafael Costa, diretor comercial da Embalixo.


No Brasil, existem quatro tipos de espécie de escorpião: amarelo, marrom, amarelo-do-nordeste e preto-da-Amazônia, porém nem todos podem causar problemas graves à saúde. O amarelo, da espécie Tityus serrulatus, é considerado um dos mais perigosos, sendo responsável por grande parte dos acidentes.

Suas vítimas, se não forem atendidas rapidamente, podem sofrer parada respiratória. Portanto, quando alguém for picado pelo animal, é necessário que se faça a higienização do local e que procure uma equipe de emergência o mais rápido possível.

“É muito importante realizar a manutenção e limpeza de lugares que estão com acúmulos de entulhos e lixo. É dessa forma que evitamos a transmissão de doenças como a dengue e acidentes graves com o aparecimento de animais peçonhentos”, finaliza o diretor.

*Estagiário sob supervisão de Lucas Nunes*

spot_imgspot_img
spot_imgspot_img

Últimas noticias