spot_imgspot_img

LEIA MAIS NOTÍCIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

spot_img

Mortes violentas no Rio apresentam o menor número de vítimas em 32 anos

spot_imgspot_img

Mais lidas

O Estado do Rio de Janeiro iniciou o segundo semestre com reduções expressivas nos crimes contra a vida. O indicador estratégico Letalidade Violenta (homicídio doloso, lesão corporal seguida de morte, morte por intervenção de agente do Estado e roubo seguido de morte) diminuiu 33% no mês de julho, registrando o menor número de vítimas para o mês desde 1991 – quando iniciou a série histórica do Instituto de Segurança Pública (ISP).

Foram 445 vítimas em julho de 2022, contra 299 em julho de 2023, ou menos 146 mortes. Na análise dos delitos que englobam os crimes contra a vida, foi observado que no mês passado o Rio de Janeiro também atingiu o menor número de homicídios em 32 anos, considerando o mês de julho, com uma queda de 30%, e reduziu em 42% as mortes por intervenção de agente do Estado.

– A vida é o bem mais precioso, então a redução das mortes violentas é algo que precisa ser valorizado. Temos investido muito em tecnologia e treinamento das forças de segurança e a redução desse indicador estratégico é uma questão que é sempre cobrada para quem está no comando das polícias Civil e Militar. O trabalho integrado para alcançar esse objetivo também é algo que precisa ser destacado – disse o governador Cláudio Castro.

Os crimes contra o patrimônio também merecem destaque. O roubo de cargas caiu pela metade no sétimo mês do ano, com um declínio de 52%, foi o menor número de casos para o mês desde 1999; o roubo de veículos apresentou menor número de casos para o mês desde 1991, com 844 roubos a menos; e os roubos de rua (roubo a transeunte, roubo de aparelho celular e roubo em coletivo) declinaram 24%, registrando o menor número para julho desde 2004.

– A queda que os roubos de veículos tiveram no mês de julho mostra a importância do uso da Inteligência e da integração entre as polícias estaduais. Além do roubo de veículo, outros crimes contra o patrimônio, que causam grande sensação de insegurança na população, também estão diminuindo e esses resultados podem ser considerados uma vitória para a segurança pública do estado – afirmou a diretora-presidente do ISP, Marcela Ortiz.

Em sete meses, a produtividade policial das forças de segurança fluminense apresentaram ótimos resultados. O número de fuzis tirados das mãos dos criminosos subiu 53%, foram 444; no total, foram 4.186 armas de fogo que saíram de circulação em sete meses. Além disso, por dia, as polícias prenderam 106 pessoas em flagrante e recuperaram cerca de 42 veículos roubados.

Principais indicadores:
Letalidade violenta: 299 mortes em julho de 2023. Na comparação com julho de 2022, o delito registrou redução de 33%. Este é o menor valor para o mês desde o início da série histórica, em 1991.

Homicídio doloso: 209 mortes em julho de 2023. Na comparação com julho de 2022, o delito registrou redução de 30%. Este é o menor valor para o mês desde o início da série histórica, em 1991.

Mortes por intervenção de agente do Estado: 82 mortes em julho de 2023. Na comparação com julho de 2022, o delito registrou redução de 42%.

Roubo de rua (roubo a transeunte, de aparelho celular e em coletivo): 4.085 casos em julho de 2023. Na comparação com julho de 2022, o delito registrou redução de 24%. Este é o menor valor para o mês desde 2004.

Roubo de carga: 131 casos em julho de 2023. Na comparação com julho de 2022, o delito registrou redução de 52%. Este é o menor valor para o mês desde 1999.

Roubo de veículo: 1.170 casos em julho de 2023. Na comparação com julho de 2022, o delito registrou redução de 42%. Este é o menor valor para o mês desde o início da série histórica, em 1991.

Armas apreendidas: 4.186 apreensões nos sete meses do ano. No comparativo com o mesmo período de 2022, o delito registrou aumento de 3% no acumulado.

Fuzis apreendidos:  444 apreensões nos sete meses do ano. No comparativo com  o mesmo período de  2022, o delito registrou aumento de 53% no acumulado.

Prisão em flagrante: 22.559 prisões em flagrante nos sete meses do ano. No comparativo com o mesmo período de 2022, o delito registrou aumento de 13% no acumulado.

Recuperação de veículos: 8.872 veículos recuperados nos sete meses do ano. No comparativo com o mesmo período de 2022, o delito registrou aumento de 20% no acumulado.

Os dados divulgados pelo Instituto de Segurança Pública são referentes aos Registros de Ocorrência (ROs) lavrados nas delegacias de Polícia Civil do Estado do Rio durante o mês de julho.

spot_imgspot_img
spot_imgspot_img

Últimas noticias