spot_imgspot_img

LEIA MAIS NOTÍCIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

spot_img
spot_imgspot_img

Metalúrgicos de Angra cobram que navios sejam construídos por estaleiros da região

Mais lidas

Os metalúrgicos de Angra dos Reis, que atuam nos estaleiros BrasFels e o Schaefer Yachts, querem que a Petrobras encomende navios na região. Por isso, representantes do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Angra dos Reis participaram do Fórum pela Retomada da Construção Naval, no último dia 31, no Centro do Rio e planejam uma mobilização nacional para março.

O objetivo é combater o que o sindicato considera o afretamento exagerado de navios petroleiros e gaseiros que são encomendados pela Petrobras e construídos e registrados em outros países, como China, por exemplo. A entidade foi representada pela presidente Cristiane Marcolino e os diretores executivos Manoel Sales e Weliton Terra.

Segundo o sindicato, a prática se tornou regra na Petrobfras e vem prejudicando a geração de empregos locais e o desenvolvimento da economia, além de deixar o país dependente de outros países e vulnerável em situação de crise internacional.

“A atual gestão da Petrobras, por meio de decisões tomadas por gerentes do terceiro escalão, de maneira desalinhada com os rumos propostos por seu acionista maior – o Estado brasileiro – vem dando continuidade ao que já ocorria na administração anterior, com procedimentos internos que impedem a participação de empresas brasileiras nas atividades de construção naval e de transporte marítimo no país”, disse nota divulgada pelo sindicato.

As entidades denunciaram no fórum que a gerência executiva de logística da Petrobras concluiu, recentemente, mais um processo de compra de serviços para afretamento de embarcações do tipo DPST (navios-tanque com sistema de posicionamento dinâmico) a serem construídos na China e na Coreia do Sul.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Angra dos Reis, sendo a Transpetro a subsidiária de logística e transporte da Petrobras, ela deveria ter sido contratada para a construção e a operação dos navios.

O Sindicato Nacional da Indústria Naval (Sinaval) também reclamou da atual política da Petrobras.

“Decisões na Petrobras contrariam política do governo e mantêm excesso de afretamento de navios no exterior”, disse a instituição em uma nota.

spot_imgspot_img
spot_imgspot_img

Últimas noticias