spot_imgspot_img

LEIA MAIS NOTÍCIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

spot_img

Cachaças de Paraty são destaque em programa de TV

spot_imgspot_img

Mais lidas

O programa Caminhos da Reportagem, da TV Brasil, exibiu na noite deste domingo (09) o episódio “Uma Dose de Paraty”, que falou sobre a cachaça artesanal produzida na cidade. O programa foi realizado em parceria com o Sebrae e visitou cachaçarias que usam o selo da Indicação Geográfica (IG).

Em Paraty, seis empresas familiares produzem anualmente de 350 mil a 400 mil litros de cachaça artesanal. A maior parte é vendida para os turistas que passeiam pela cidade.

O modo de fazer a cachaça passado de geração em geração desde os tempos coloniais fez da cidade histórica do sul fluminense a primeira do Brasil, em 2007, a ser reconhecida como Indicação Geográfica pela produção da mais brasileira das bebidas.

A equipe conheceu os antigos engenhos de açúcar com o produtor que está há mais tempo em atividade em Paraty, Eduardo Mello, da cachaçaria Coqueiro. Ele e a família preservam a receita dos antepassados, que começaram a produzir cachaça em 1803.

O programa mostrou, também, as diferentes etapas do processo de produção na cachaçaria Pedra Branca. O proprietário, Lúcio Gama Freire, mostrou como é separado manualmente o coração da cachaça, a parte da bebida destilada que vai para a maturação, armazenamento e envelhecimento.

Destaque para a cachaça orgânica produzida por Maria Izabel no sítio Santo Antônio, na margem da baía de Paraty. Ela prepara o fermento à base de cana no fogão a lenha da casa onde mora. “Tudo aqui está interligado. É da terra que vem a cana, então a gente cuida da terra e a terra cuida da gente”, diz a produtora.

A IG foi um passo fundamental para a valorização da cachaça artesanal de Paraty, que vive um momento de ascensão, com prêmios, experimentação de blends, desenvolvimento de licores e drinks e busca de novos mercados.

Os irmãos e sócios Paulo e Carlos José Miranda, da Paratiana, fazem experiências com o envelhecimento da cachaça em madeiras brasileiras. Cada uma garante um sabor diferente à bebida. Misturando esses produtos (por exemplo, a aguardente envelhecida no barril de amburana com a do tonel de jequitibá), eles criam novos rótulos e colecionam prêmios em festivais internacionais de destilados.

No Quilombo do Campinho, a equipe da TV Brasil conheceu o drink Mata Atlântica, premiado numa das edições do Festival da Cachaça, Cultura e Sabores de Paraty. A bebida é feita com cachaça e juçara, uma palmeira cujos frutos são muito presentes na alimentação e na economia dos povos tradicionais da região.

Confira o programa na íntegra:

spot_imgspot_img
spot_imgspot_img

Últimas noticias