spot_imgspot_img

LEIA MAIS NOTÍCIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

spot_img
spot_imgspot_img

Caso de racismo que aconteceu em Niterói tem atualização meses após o ocorrido

Mais lidas

A defensora pública aposentada que havia sido acusada de racismo em maio de 2022 voltou a falar sobre o caso, seis meses após o ocorrido.

Ela se pronunciou com o intuito de alterar sua versão sobre o caso. Na época, ela havia confessado o crime à justiça, porém, agora, entrou com uma queixa contra um dos envolvidos.

Cláudia Alvarim Barrozo foi até a polícia explicar que ela foi a vítima durante o episódio que aconteceu no condomínio onde mora em Niterói.

Em seu depoimento, Cláudia apresentou uma nova versão dos fatos, e sua defesa fez uma queixa crime contra Eduardo, uma das vítimas da injúria racial.

A defensora pública e sua filha declararam que a vítima teria feito diversas ofensas sexistas e de cunho sexual naquele dia. De acordo com elas, ele teria chamado Cláudia de “Mulherzinha nervosa”, “Vaca do inferno” e chamado a filha de “Gostosona”.

A defensora pública tem seis passagens pela polícia, quatro por injúria e duas por lesão corporal e constrangimento.

O advogado das vítimas de injúria racial se manifestou:

“Causa estranheza passar-se tanto tempo pra que ela venha se manifestar nesse sentido. Estamos fazendo o acompanhamento de forma bem diligente e assim que tudo for apurado e provado a inocência do Eduardo nós de forma imediata vamos retornar a 81° DP, só que dessa vez para fazer um novo registro de ocorrência, agora por denunciação caluniosa”, explica o advogado.

Relembre o casoNiterói: Entregador sofre racismo em condomínio de luxo

*estagiária sob supervisão de Lucas Nunes

spot_imgspot_img
spot_imgspot_img

Últimas noticias